Tradução Juramentada

República Federativa do Brasil

Douglas Alexandre Goulart Simões

Tradutor Público e Intérprete Comercial Juramentado
Português e Inglês
Matrícula JUCERJA nº245

Tradução Juramentada

  • Tradução Juramentada

    Licenciado pelo Estado do Rio de Janeiro desde 2012, Douglas Simões é tradutor juramentado e co-fundador da Interpret Brasil. A Tradução Juramentada é necessária para a tradução de documentos em idiomas estrangeiros, tais como contratos, procurações, certidões diversas e etc. Sem ela, o documento traduzido não tem valor legal.

  • Tradução de Documentos

    Traduções de documentos para o inglês e de documentos estrangeiros para o português, tais como contratos, históricos escolares, procurações, certidões diversas etc. Somente mediante a tradução juramentada, tais documentos terão valor junto a instituições legais e órgãos públicos do Brasil e no exterior.

  • Tradução com Agilidade

    A sua tradução juramentada deve ser concluída com rapidez para que suas necessidades oficiais e questões jurídicas sejam solucionadas. Aqui, você tem a certeza de que terá uma tradução de qualidade com a agilidade que você merece!

Informações para contato:

Tel: +55 21 3500-7992
e-mail: douglas.simoes@interpretbrasil.com
skype: interpret_brasil

Orçamento
  • Solte arquivos aqui ou
    Tipos de arquivos permitidos: doc, xls, docx, xlsx, txt, rtf, pdf
    Formatos aceitos: doc, xls, docx, xlsx, txt, rtf, pdf Máximo de 5MB por arquivo.

Conheça mais sobre Tradução Juramentada

O que é tradução juramentada?

Traduções juramentadas são aquelas realizadas por um “Tradutor Público e Intérprete Comercial”, título alcançado após a aprovação em um rigorosíssimo processo seletivo com alto nível técnico. Este tradutor se transforma então em um agente auxiliar do comércio. A habilitação, nomeação, matrícula e eventual cancelamento do registro deste tradutor cabem às Juntas Comerciais de cada unidade federativa.

Qual é o prazo de entrega de uma tradução juramentada?

O prazo de entrega será calculado com base no tamanho do documento a ser traduzido. Casos urgentes serão considerados individualmente, lembrando que há parâmetros estabelecidos pela Junta Comercial de cada estado para definir o que caracteriza urgência neste tipo de tradução.

Qual é o preço de uma tradução juramentada?

Em linhas gerais, o preço da tradução juramentada é definido com base em alguns fatores:

NÚMERO DE LAUDAS – É cobrado um valor tabelado pela Junta Comercial por lauda. Segundo a Deliberação JUCERJA N.º 77, de 2014, a definição de lauda é a seguinte:

“Artigo 2º §2º – Os emolumentos de que trata este artigo correspondem a uma lauda de até 1000 (mil) caracteres, datilografados ou digitados, não computados os espaços em branco. Em se tratando de idiomas com caracteres especiais, tais como árabe, chinês, russo e hebraico, uma lauda corresponderá a 25 (vinte e cinco) linhas, datilografadas ou digitadas.

TIPO DE DOCUMENTO – O valor de tradução varia entre textos comuns e textos especiais e documentos de alta complexidade, conforme definição da JUCERJA – RJ.

Consideram-se:

  • Textos comuns: passaportes, certidões de registro civil, certificados escolares, carteiras de identidade, correspondências simples, faturas, textos padronizados e documentos similares.
  • Textos especiais: jurídicos, Acadêmicos, Técnicos e Científicos: certidões de registros civis com averbação de sentença judicial; contratos mercantis em geral; documentos aduaneiros, procurações, cédulas hipotecárias; contratos de arrendamento; documentos fiscais; documentos contábeis de qualquer natureza; escrituras notariais; testamentos; sentenças, cartas rogatórias, peças e decisões judiciais em geral; históricos escolares de qualquer nível, certificados, diplomas cujos versos contenham históricos escolares e programas de curso superior, resumo de teses e dissertações de pós-graduação; laudos médicos e científicos; e outros documentos similares.
  • Documentos de Alta Complexidade Técnica ou Dificuldade de Leitura: originais dificilmente compreensíveis devido à gramática ou ortografia deficientes ou lacunas etimológicas; originais redigidos em dialetos regionais; disposições jurídicas consideravelmente diferentes no idioma de origem e no de destino; textos tratando de mais de uma área técnica especializada; textos contendo inúmeras abreviaturas; textos de difícil compreensão por sua antiguidade ou por conterem informações codificadas; textos parcialmente ilegíveis ou contendo caligrafia parcialmente ilegível.

PRAZO – O prazo de uma tradução juramentada pode variar entre normal, urgente ou extraordinário. Verificar definições na pergunta: “Existem taxas adicionais para serviços urgentes? O que caracteriza um serviço urgente?”

TABELA INFORMATIVA DE PREÇOS POR LAUDA DE TRADUÇÃO/VERSÃO JURAMENTADA:

Tipo de Serviço (em prazo normal) TRADUÇÃO - Junta Comercial/JUCERJA

DELIBERAÇÃO JUCERJA No. 91

* Tabela atualizada em Janeiro de 2016.
* Tabela informativa retirada de informações constantes nos sites da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro sem considerar aspectos especiais, tais como urgência, reconhecimento de firma etc.

VER TABELA EM PDF

Existem taxas adicionais para serviços urgentes? O que caracteriza um serviço urgente?

Como em qualquer outra questão relacionada à tradução juramentada, vale a regra estipulada e vigente da Junta Comercial do seu Estado. Abaixo estão expostas as regras da JUCERJA .

Definição de urgente segundo DELIBERAÇÃO JUCERJA Nº 77/ 2014:
Art. 4º – Para os serviços urgentes será cobrado acréscimo de 50% (cinquenta por cento) sobre os valores fixados por esta deliberação.

§ 1º – Entende-se serviço urgente aquele executado e posto à disposição do interessado nos seguintes prazos:

  1. I) 4 (quatro) horas, para uma lauda de até mil caracteres digitados, não computados espaços em branco; ou 25 (vinte e cinco) linhas digitadas, quando se tratar de árabe, chinês, russo ou hebraico;
  2. II) 8 (oito) horas, para duas laudas, cada uma com até mil caracteres digitados, não computados espaços em branco; ou 25 (vinte e cinco) linhas digitadas, quando se tratar de árabe, chinês, russo ou hebraico;

III) ) 12 (doze) horas, para três laudas, com cada uma de até mil caracteres digitados, não computados espaços em branco; ou 25 (vinte e cinco) linhas digitadas, quando se tratar de árabe, chinês, russo ou hebraico;

12 (doze) horas, para três laudas, totalizando 75 (setenta e cinco) linhas datilografadas e assim sucessiva e proporcionalmente, entendendo-se pela expressão “horas” o horário comercial oficial adotado nos municípios do Estado de Minas Gerais, de segunda a sexta-feira.

Quais são as competências de um tradutor público e intérprete comercial?

Segundo DECRETO Nº 13.609, DE 21 DE OUTUBRO DE 1943 do Governo Federal:

“Art 17. Aos tradutores públicos e intérpretes comerciais compete:

  1. a) Passar certidões, fazer traduções em língua vernácula de todos os livros, documentos e mais papeis escritos em qualquer língua estrangeira, que tiverem de ser apresentados em Juízo ou qualquer repartição pública federal, estadual ou municipal ou entidade mantida, orientada ou fiscalizada pelos poderes públicos e que para as mesmas traduções lhes forem confiados judicial ou extrajudicialmente por qualquer interessado;b) Intervir, quando nomeados judicialmente ou pela repartição competente, nos exames a que se tenha de proceder para a verificação da exatidão de qualquer tradução que tenha sido arguida de menos conforme com o original, errada ou dolosa, nos termos do artigo 22 e seus §§ 1º e 3ºc) Interpretar e verter verbalmente em língua vulgar, quando também para isso forem nomeados judicialmente, as respostas ou depoimentos dados em Juízo por estrangeiros que não falarem o idioma do país e no mesmo Juízo tenham de ser interrogados como interessados, como testemunhas ou informantes, bem assim, no fôro extrajudicial, repartições públicas federais, estaduais ou municipais;d) Examinar, quando solicitada pelas repartições públicas fiscais ou administrativas competentes ou por qualquer autoridade judicial, a falta de exatidão com que for impugnada qualquer tradução feita por corretores de navios, dos manifestos e documentos que as embarcações estrangeiras tiverem de apresentar para despacho nas Alfândegas, bem assim qualquer tradução feita em razão de suas funções por ocupantes de cargos públicos de tradutores e intérpretes.Parágrafo único. Aos exames referidos na alínea d , quando se tratar da tradução feita por corretores de navios, são aplicáveis as disposições do artigo 22 e seus parágrafos. Se o exame se referir a tradução feita por ocupante de cargo público em razão de suas funções e dele se concluir que houve erro, dolo ou falsidade, será o seu resultado comunicado à autoridade competente para promover a responsabilidade do funcionário.Art 18. Nenhum livro, documento ou papel de qualquer natureza que for exarado em idioma estrangeiro, produzirá efeito em repartições da União dos Estados e dos municípios, em qualquer instância, Juízo ou Tribunal ou entidades mantidas, fiscalizadas ou orientadas pelos poderes públicos, sem ser acompanhado da respectiva tradução feita na conformidade deste regulamento.Parágrafo único. estas disposições compreendem também os serventuários de notas e os cartórios de registro de títulos e documentos que não poderão registrar, passar certidões ou públicas-formas de documento no todo ou em parte redigido em língua estrangeira.Art 19. A exceção das traduções feitas por corretores de navios, dos manifestos e documentos que as embarcações estrangeiras tiverem de apresentar para despacho nas Alfândegas e daquelas feitas por ocupantes de cargos públicos de tradutores ou intérpretes, em razão de suas funções, nenhuma outra terá fé pública se não for feita por qualquer dos tradutores públicos e intérpretes comerciais nomeados de acordo com o presente regulamento.Parágrafo único. Somente na falta ou impedimento de todos estes e de seus prepostos poderá o Juiz da repartição encarregada do registro do comércio nomear tradutores e intérpretes ad-hoc Estes, em seguida ao despacho e no mesmo papel, prestarão o compromisso legal, lavrando aí o seu ato.Art 20. Os tradutores públicos e intérpretes comerciais terão jurisdição em todo o território do Estado em que forem nomeados ou no Distrito Federal quando nomeados pelo Presidente da República. Entretanto, terão fé pública em todo o país as traduções por eles feitas e as certidões que passarem.Art 21. Qualquer autoridade judiciária ou administrativa poderá, ex-offício ou a requerimento de parte interessada, impugnar a falta de exatidão de qualquer tradução.Art 22. Quando alguma tradução por arguida de inexata, com fundamentos plausíveis e que possam acarretar efetivo dano às partes, a autoridade que dela deva tomar conhecimento, sendo judiciária, ordenará o exame que será feito em sua presença. Se a autoridade fôr administrativa, requisitará o exame com exibição do original e tradução, à Junta Comercial ou órgão correspondente, sendo notificado o tradutor para a êle assistir querendo.1º Esse exame será feito por duas pessoas idôneas, de preferência professores do idioma e na falta destes por dois tradutores legalmente habilitados, versando exclusivamente sobre a parte impugnada da tradução.§ 2º O resultado do exame não será mais objeto da controvérsia e a tradução, assim sustentada ou reformada, terá inteira fé, sem mais admitir-se discussão ou emenda.§ 3º Se do exame só se concluir falta de exatidão da tradução como objeto científico, a nenhuma pena fica sujeito o tradutor, se dele se concluir erro de que resulte efetivo dano às partes, será o tradutor obrigado a indenizá-las dos prejuízos que daí lhes provierem e em Juízo competente; porém, si se provar dolo ou falsidade na tradução, além das penas em que o tradutor incorrer na legislação criminal e que lhes serão impostas no competente Juízo, será condenado pela repartição a que estiver subordinado, ex-officio ou a requerimento dos interessados, às penas de suspensão, multa e demissão, referidas no art. 24 deste regulamento.Art 23. Não poderão os tradutores públicos e intérpretes comerciais, sem causa justificada e sob pena de suspensão, se recusar aos exames ou diligências judiciais ou administrativas para que tenham sido competentemente intimados, não lhes sendo igualmente permitido recusar qualquer tradução desde que esta se apresente no idioma em que estejam legalmente habilitados.”¹Fonte: http://www.dnrc.gov.br/Legislacao/decreto/dec13609.htm (Visualizado em 25/02/2011)

.